Ms News

Apresentadora moralista do MS urgente foi alvo da maior operação realizada pela PF em MS, a URAGANO

Campo Grande(MS) – A Justiça Federal aceitou denúncia do Ministério Público Federal e o deputado estadual Marçal Filho, virou réu em ação penal por corrupção passiva, junto com a radialista e ex-esposa, Keliana Fernandes Mangueiras. Conforme a acusação, o parlamentar teria pressionado agentes da prefeitura de Dourados a doar R$ 2 milhões em troca de apoio político.  MPF baseia a denúncia em reuniões  entre Marçal, Keliana e o então secretário de Governo da prefeitura de Dourados, Eleandro Passaia, em junho de 2010. O parlamentar e a ex-esposa foram gravados pressionando por doação de R$ 2 milhões para campanha, em troca de compromisso político futuro com o então prefeito Ari Artuzi, que morreu em 2013. Nas gravações, o trio chega a cogitar que fosse realizado “esquema dos remédios” pelo prefeito, a fim de viabilizar os recursos para Marçal.

Na época Marçal  exercia mandato na Câmara Federal em 2009,  depois de  assumir vaga deixada por Waldir Neves, que deixou o posto para tomar posse de cargo no TCE/MS (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul). Marçal Filho concorreu nas eleições de 2010 e foi reeleito como deputado federal para a legislatura seguinte. O Código Penal define corrupção passiva como “solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal vantagem”. A punição para o crime prevê reclusão de 2 a 12 anos, além de multa. Marçal Filho e a ex-esposa foram intimados pela Justiça e responderam à acusação. O MPF deve agora se pronunciar sobre a defesa dos réus.

O outro lado/ Em Nota a assessoria de imprensa do deputado Marçal Filho disse que a denuncia é requentada   e que já foi apresentada a mais de um ano.  E que já  apresentou defesa quando os autos estavam no Supremo Tribunal Federal (STF) refutando categoricamente os fatos narrados na denúncia. Marçal disse que a denuncia não tem prova.

fonte; radiowebms.com.br

Sair da versão mobile